O que Carl Jung diz sobre os sonhos e a percepção de Freud sobre interpretação de sonhos

jung e a interpretação dos sonhosCarl Jung foi um prolífico escritor ao longo de sua longa carreira e alguns de seus livros só foram publicados postumamente. Ele era um viajante do mundo e deu muitas entrevistas e palestras que foram bem recebidas. Ele realizou uma volumosa correspondência com várias pessoas e a maioria delas foram publicadas após a sua morte [1]. Hoje há milhões de pessoas que estudam as obras de Jung e praticam aconselhamento Jungiano, terapia de psicologia profunda e esforços de auto-realização.

Freud tinha uma perspectiva sobre os sonhos que os viam do lado de fora após o fato, como relatado ou lembrado mais tarde pelo paciente. Em seu livro de 1900, a interpretação dos sonhos, Freud descreveu sua abordagem à análise dos sonhos que introduziu o significado psicológico em termos de simbolismo oculto que foi motivado pela psicodinâmica da repressão emocional do paciente.

Esta abordagem psicológica à interpretação de sonhos foi guiada por conceitos pré-estabelecidos do sistema psicanalítico de Freud. A interpretação de sonhos psicanalíticos foi altamente bem sucedida e amplamente aceita pelos psiquiatras e introduzida como temas em romances, filmes e palcos. Também foi aclamado por muitos seguidores dedicados e tem continuado a vida e o uso da psicanálise por mais de um século.

interpretação dos sonhos

A perspectiva de Jung sobre a interpretação dos sonhos

freud e ainterpretação de sonhosA perspectiva de Jung sobre sonhos era completamente diferente. As duas abordagens estão em relação nítida e oposta ao dualismo. A abordagem de Freud aos sonhos é uma aplicação materialista, enquanto a definição de Jung de sonhos é dualista. A ideia de Jung do que são sonhos é mais profunda e mais objetiva, já que os arquétipos que causaram sonhos eram coletivos, universais, anatômicos ou biológicos, e portanto objetivos e empíricos, ao contrário da análise de sonhos de Freud, que pode ser chamada de subjetiva e hipotética. Freud olhou para os efeitos consequentes no sonho, que eram apenas muitas aparições externas detalhadas em que os sonhos foram lançados, enquanto Jung olhou para a causa do sonho, que é sua origem psíquica objetivo interior.

Freud também discutiu os sonhos como sendo expressões psicológicas causadas pelo desejo do sonhador de esconder elementos do eu que eram muito ameaçadores para a consciência. Envolver sonhos em camadas de distrações era visto como um mecanismo de defesa que o paciente estava usando para reprimir certas emoções e sentimentos que eram simplesmente inaceitáveis para o ego consciente. Essas emoções e sentimentos eram reais e faziam parte do sistema biológico de necessidades de todos.

Assim, reprimi-los do ego consciente resultou em deslocamento e formas neuróticas ou inapropriadas de expressá-los. A terapia freudiana envolveu trazer essas realidades reprimidas ou “inconscientes” sobre si mesmo para o consciente e integrá-las na personalidade.